Posts Tagged

poema

cronograma-atendimentoweb
Robert de Andrade

Vou viver o meu tempo Correr, só por esporte Levar a pressa a passos lentos Infligir o relógio alheio.   Vou fugir do prazo Sofrer, só por acaso Vencer o tédio na teimosia Partir minha preguiça ao meio.   Quero ver o mato crescer Ler Proust enquanto aguardo a minha

Leia Mais
coral
Robert de Andrade

Deixa sangrar E só estanque quando o veneno sair Se eu delirar Me vê logo um trago mais forte Feito garrafada do norte Pra levantar o que sobrou de mim   Cobra venenosa Mas o caminho fui eu que escolhi Quando sarar Tomo cuidado ao passar por aqui   Deixa

Leia Mais
A biologia dos gêmeos - 01
Robert de Andrade

– E agora, nego, quem será o meu parceiro, Meu contraponto, meu fiel escudeiro? Me diga, mano Porque partiu na contramão, Deixando a mãe, o pai, o filho e eu, irmão?   – É… meu preto, ele partiu pra nunca mais voltar Estava tão lindo antes do baile De boné

Leia Mais
Big_Bang
Robert de Andrade

O pouco, faltoso, insistente, Às vezes era uma promessa tão grande E o meio veio num rompante Ficou logo estéril, sem passado, Dado por acabado Já o muito, incompleto e sem futuro, Às vezes me parece bem menos que o pouco… Robert de Andrade Os Impublicáveis

Leia Mais
808envelope
Fábio Almeida

  Antes que eu me perca no labirinto do tempo, Tentando criar um sistema diferente do convencional, Onde ele (o tempo) não é importante, mas apenas um detalhe Que não possa determinar ao certo quando foi, Por que pode ter sido em qualquer parte do tempo… Antes que eu deixe

Leia Mais
redes
Cind Canuto

Enquanto eu sou o outro O outro não sei eu Pelo que eu só sei o outro Com o olhar que é meu No produto desse meio A consciência se perdeu Ligada ao contrário de mim, Ao outro e ao olhar seu A natureza desses neurônios Na forma de estrelas

Leia Mais
bic_cristal
Robert de Andrade

Texto (im)publicado na última edição da revista Jararaca Alegre. Caros amigos poetas, cuidado para que a poesia não faça de suas vidas um livreto de quinta categoria. O mundo está cheio de poetas e dos que se acham poetas, mas ultimamente tem se tornado muito difícil distinguir essas duas classes.

Leia Mais
SALVAD~1
Barroso da Costa

E eis que o tempo se embaralha e sobe aos olhos a água de uma chuva que um dia molhou negros cabelos. O pescoço enrijece e a boca se contorce com o amargor de um adeus, intempestivo então, mas que agora pode transmutar-se em terno sorriso de olhar perdido em

Leia Mais