Posts In Category

Misérias poéticas de madrugadas insones

GeralMisérias poéticas de madrugadas insones

Esses ésses Singrando, sinuosas serpentes seguem, Sensuais, sua sina de seduzir. Sereias sibilantes insinuam-se e submergem sob o sol. Sem sentido, esses ésses me surrupiam o sono. Sou só um miserável sonhador. Sonhador insone, sonhando esses ésses. Sem saber se sonho ou se sono, Se sonho ou se sou. Esse

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Leminskando Embora tente fazer poesia deste resto que insiste, visceral, jamais serei Drummond ou João Cabral. Também seria presunção me aproximar de Adélia Prado, Manoel de Barros, Vinicius de Moraes. Presunção demais… Mas, não tem problema, não. Nas letras não vou tão mal e, afinal, desse resto que digo, nada

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Palavra que lavra que livra que leva Palavra que prova que priva que parla Palavra que parece que vale que vela Por essas almas parvas parlêtres que, sem ela, não são.  

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Clarobscuressência Se há luz, há sombra e só onde houver sombra, me crio sujeito que sou pendendo entre a luz, que revela e a escuridão, que me vela abrigando, em interditos, não-ditos para que apareçam meus ditos Mal ditos, sempre serão! Porque não há palavra bem dita e é só

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Receita de inverno a quem Amo Amei Amarei deixo inscrito, em palavra viva, este meu Amor que é tanto um quanto inquietante tão quente quão simples bem terno especial para o inverno.

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Alfaiatarias e texturas II Frágil sujeito… Coagido a se fazer remendão e, com o fio da palavra, coser e recoser a borda de seus ocos.

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

De saudades e outros vícios lusófonos I Saudade é palavra que não cabe em si.Nem em mim…

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Lalíngua A língua é bela em seus movimentos Quando, sozinha, se deita no céu da boca Ou quando, com outra, se busca em mil tormentos Mas a língua é ainda mais bela quando escorrega E lambendo leve o desejo, goza em agonia Bem no ponto em que sua ponta toca,

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Panapaná Amanhã Por amor Faz-me entranha Enquanto revoam suas borboletas de dentro

Leia Mais
Misérias poéticas de madrugadas insones

Entre santos e dragões Sempre quis palavrear sobre o amor Amor que sinto Amor que deito Amor que tenho Amor que toma Amor que desejo Amor que gozo Amor que dou Amor que dói Amor que dois Amor que três Amor que mais Amor que traz Amor que esquenta Amor

Leia Mais