Misérias poéticas de madrugadas insones

Leminskando

Leminskando

Embora tente fazer poesia deste resto que insiste,
visceral,
jamais serei Drummond ou João Cabral.
Também seria presunção me aproximar de Adélia Prado, Manoel de Barros,
Vinicius de Moraes.
Presunção demais…
Mas, não tem problema, não.
Nas letras não vou tão mal e, afinal, desse resto que digo,
nada mais marginal.
Vou ler Chacal.
Deixar que os sons do Cacaso me venham ao acaso.
Voltar ao começo, criar um verbo.
Seguir experimentando,
palavreando,
leminskando.

Previous post

Zé, o mais novo sobrinho do Tio Sam

Next post

A morte de Flaviosney