Crontos, cônicas e afins

F.D.P

F.D.P.[1]

Já podia ouvir o barulho das sirenes que se aproximavam do pé do morro.

F.D.P. passou a mão na barriga e percebeu que o sangue não parou de descer. Não dava mais para correr, sentia-se cansado. Só podia ficar ali, sentado no canto escuro do Beco da Saudade, que ficava no ponto mais alto da favela. Apertou contra o peito sua .12 de estimação e viu que a única opção que tinha era esperar para ver o que a sorte lhe reservava.

Àquela ora, os canas já deviam ter cercado tudo.

Sem saber o porquê, olhou para o céu e viu que era noite de lua cheia. Há muito não parava para observar o céu.

Tentou lembrar sua infância. Esforço em vão. Nem do rosto de sua mãe, P.Q.P., conseguia lembrar-se. E nem podia. Segundo F.M.P., seu irmão, sua mãe morreu de tanta cachaça, logo depois de seu nascimento. A vovó falava que ela começou a beber depois que meu pai foi embora.

Conseguiu lembrar as brincadeiras de pique no Cemitério da Consolação. O Sô Zé Coveiro ficava puto. Será que se morresse seria enterrado lá? Claro que não. Para lá só ia granfa. Seria enterrado como indigente, isso se não fosse jogado no rio como o N.S.J. e o Z.N.S., para aparecer dali a três dias com a boca cheia de bicho. Deus me livre e guarde! Puta-que-pariu, por que pensava nisso agora?

Tratou logo de afastar os pensamentos.

Sentia sede.

Pensou em R.M.G., a menina de coxas grossas mais safadinha da região, que se encarregou de lhe tirar a virgindade. Depois foi só alegria. Fez fama de gostosão e, em pouco tempo, papou até a E.T.M., mulher do cara que, antigamente, comandava todos os negócios da área.

A dor estava aumentando. O sangue já formava uma poça embaixo de F.D.P..

Depois, começou a se perguntar porque estava ali, enfim quando começou esta merda toda.

Pensou no seu primeiro assalto, aos 12 anos, depois de cheirar sua primeira carreirinha para criar coragem. Playboy desgraçado, se ele não tivesse reagido, eu não precisava dar aquele teco nele.

O tráfico veio logo em seguida. Parou de cheirar pra vender. Herdou o negócio do irmão mais velho, F.M.P., que, por sua vez, o havia tomado após matar o marido de E.T.M., e que, logo depois, foi morto em mais uma disputa por pontos de distribuição.

Época de vacas gordas, aquela! Não faltava carne em casa. Só pilotava carrões e chovia mulher. Parecia um sonho, viver às custas do vício dessa podridão que eles chamam de nata da sociedade. Um bando de riquinhos que fazia qualquer coisa por um pouco de pó. Tinham umas patricinhas que até valiam a pena. Cheirosas, bem arrumadinhas, cheias de merda na cabeça e fazendo qualquer coisa por uma carreirinha de pó.

As coisas estavam indo muito bem, até que aquele chefão do Balança-mas-não-cai  começou a crescer os olhos nos negócios das bandas de cá. Chegou tentando botar banca, cheio de cordão de ouro no pescoço e nos braços, com a automática à vista. A camaradagem anda dizendo que ele até vai ser homenageado por uma escola de samba.

Ia, ou, se vai, será em homenagem póstuma, depois daquele monte de chumbo que eu acabei de enfiar nele. Se a turma dele não reagisse, seria bem mais fácil. A polícia não estaria aqui e eu não estaria sangrando feito um porco.

Já ouvia o latido dos cachorros e alguns tiros. Devem ter acertado alguém, ou da turma, ou o primeiro inocente que eles exibem amanhã em todos os jornais, com aquela velha tarja preta nos olhos e as iniciais, dizendo tratar-se de um dos maiores traficantes do Estado.

Arrastou-se até a esquina do beco e pôde ver a galera descendo e se posicionando para dar cobertura.

O primeiro cana que apontou na viela foi recebido à moda da casa, três balaços no peito. Aí começou aquela zona. Era azeitona quente pra todo lado.

Estaria completando dezoito anos no dia seguinte. Podia entregar-se, sem reagir, passar uns nomes aos homens… Aí ia virar cagueta e, se os macacos não o pegassem, a malandragem se encarregaria disso. Mas, só assim sairia vivo daquela…

Pensando isso, sorriu.

Levantou-se com algum esforço e começou a retribuir os tiros.


[1] Texto escrito em 2004

Previous post

Aposentadoria

Next post

Fragmento do conto "Ele", de Franz Kafka