Robert de Andrade

Doce descompasso

Vou viver o meu tempo

Correr, só por esporte

Levar a pressa a passos lentos

Infligir o relógio alheio.

 

Vou fugir do prazo

Sofrer, só por acaso

Vencer o tédio na teimosia

Partir minha preguiça ao meio.

 

Quero ver o mato crescer

Ler Proust enquanto aguardo a minha vez

Marcar compromissos para depois da chuva

Festa, só na próxima lua.

 

Robert de Andrade

Previous post

A escola e os partidos

Next post

Trilha sonora de um livro impublicável