Robert de Andrade

Cobra Venenosa

Deixa sangrar

E só estanque quando o veneno sair

Se eu delirar

Me vê logo um trago mais forte

Feito garrafada do norte

Pra levantar o que sobrou de mim

 

Cobra venenosa

Mas o caminho fui eu que escolhi

Quando sarar

Tomo cuidado ao passar por aqui

 

Deixa pra lá

Sua maldade foi um bem pra mim

Me fez sangrar

E aprender a nunca desistir

 

Jararacuçu se mandou pro mato

Coral rebola no chão

Cascavel rainha das pedras

E eu que já sou dileto

Agora só piso certo nesse chão

 

Robert de Andrade

Previous post

Apartar  

Next post

O séquito