Cind Canuto

Redes

Enquanto eu sou o outro

O outro não sei eu

Pelo que eu só sei o outro

Com o olhar que é meu

No produto desse meio

A consciência se perdeu

Ligada ao contrário de mim,

Ao outro e ao olhar seu

A natureza desses neurônios

Na forma de estrelas como no céu

O homem emaranhado em fios

De cultura que ele mesmo teceu

Cind Canuto

Os Impublicáveis

Previous post

Mais uma fobia

Next post

A FÁBULA COMO ELA É