Fábio Almeida

Crime e castigo

 Minha mãe, com seus quase oitenta anos, exerce a função de dona-de-casa há quase este mesmo tempo. Talvez por isso e pelo passar dos anos, já não faz mais distinção de muitas coisas que geralmente nós achamos importantes.

Noutro dia, meu irmão ganhou de um de seus clientes um “kit” completo de carnes, como presente de final de ano. Neste “kit”, havia uma peça de picanha enorme. A picanha, claro, não falava, pois era apenas um pedaço de carne, mas se falasse, certamente pediria para fazer dela um churrasco ou, no mínimo, um lindo assado, temperado com pompas de gala.

Mas como disse antes, mamãe já não está mais afeita a esses caprichos e tratou a picanha com a mesma imparcialidade com que lava uma alface ou corta um tomate. Ela retirou aquele belo pedaço de carne da embalagem, cortou-o em cubos e colocou-os na panela de pressão, com sal e vinagre, assim como se faz com acém, músculo, pescoço de peru e suã. Sem cerimônia.

Claro que o açougueiro que preparou a carne não viu isso. Ninguém viu, além de mim, que não consegui me conter e deixei rolar uma “lagrimazinha” no canto do olho, pensando como ficaria aquela nobre e suculenta carne bovina no espeto, sobre a churrasqueira, deixando escorrer aquela “gordurinha”, amaciando ainda mais a carne, enquanto eu estivesse degustando uma cerveja estupidamente gelada, lá no fundo do quintal, no sábado à tarde, assistindo Novorizontino x Arapiraca, pela série “C” do campeonato paulista.

 Mas não tem problema, não. Eu absolvo mamãe, mesmo porque, ela não tem mais idade para cumprir pena. Mas meu irmão, este sim, será condenado por negligência. Oras, um corte de carne desses, você só traz para casa quando todos os preparativos para o churrasco estiverem prontos. E sua pena já está decretada: vai comprar outra picanha do mesmo tamanho e “de quebra”, coraçãozinho e um quilo de toscana, se não quiser pagar sua pena com serviços comunitários, como levar a sogra da minha irmã ao baile da terceira idade e ensiná-la a dançar forró.

E sábado que vem, o dia promete, pois o jogo é Mirasol x Santanense, com Paulinho Camanducaia de centroavante. E as duas equipes estão lutando desesperadamente para não serem rebaixados para série “D”.

 Haaaaaaaaaja coração!!!!!!!!!

Fábio Almeida

Previous post

Corno, porém honrado

Next post

Marcelo Tannure